quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Turnê ao passado

Contrariando as previsões dos pessimistas, o visual retrô veio para ficar tomando mais fôlego seja em roupas, música, nos móveis ou layout de sites, perpetuando ícones e enchendo a paisagem de charme e glamour é um verdadeiro brinde ao retrocesso!
Por Nat Valarini

Nem é preciso entrar num vórtice ou esperar pelo túnel do tempo, foi o passado quem veio até nós e não quer mais ir embora. Lembro-me que a algumas coleções de inverno atrás, o hit do momento era o visual realeza, com suas golas emolduradas em babados e casacos estilo cavalaria, mas essa moda nadou e, chegado o verão, morreu na praia.

Estilistas e designs continuam buscando inspiração para recriar em cima de ícones do passado uma perspectiva moderna e sem abrir mão de elementos do presente, pois a idéia não é parecer que estamos fazendo uma visita ao museu, mas sim pegar o melhor de cada época a fim de tornar roupas e objetos belos e funcionais para a população de hoje.

Mesmo que você, meu caro leitor, não dê a mínima importância para o que acontece
nas passarelas e que tenha a convicção de que seu pé não está no mundinho
fashion, não há como escapar: com certeza já consumiu algum artigo inspirado no passado.

Afirmo isso com total segurança, pois quem faz e/ou vende um produto (que
pode ser uma peça de vestuário, um carro ou mesmo a imagem pessoal) acompanha as
mudanças e exigências do mercado, que sempre atende a voz da maioria e é fato: o tempo de nossas avós ganhou destaque.Até a paixão nacional, o futebol, já aderiu. A primeira versão da camisa do seu time favorito pode ser encontrada com facilidade tanto as originais (vendidas a um preço salgado) ou mesmo réplicas dos uniformes antigos à venda em alguns sites. Visite www.cluberetro.com.br/ e deleite-se.

Algumas pessoas já me perguntaram por que o nome deste Blog é Garota Pendurada. Confesso que sou uma apaixonada pelo retrô e por um de seus símbolos mais charmosos: Pinup Girls. E é sobre elas que quero falar a partir de agora.

Cheesecakes & Beefcakes: como tudo começou.
OK! Pergunte-me: - Que raio de negócio é esse?
Calma compadre! Você sabe do que estou falando, só não ligou o nome à coisa.Vamos a uma breve ‘aula de história’?
Cheesecake é uma gíria popularmente usada nos Estados Unidos por volta de 1934 para elogiar uma bela mulher: “Better than cheesecake” (equivalente a: "Um verdadeiro pitéu"). E não pense que os rapazes ficavam de fora. Eles eram chamados de Beefcakes, puxando para o bom português, seria o nosso “Bofe”. Expressões precursoras usadas para designar o que conhecemos como Pin ups.
A febre que teve início nos desenhos enviados aos soldados no campo de batalha que suspiravam pela mulher de curvas idealizadas no papel seja pelas mãos de artitas como Pearl Frush, Alberto Vargas, Gil Elvgren, entre outros, ou mesmo com os sucessos no cinema de estrelas como Marilin Moonroe, Audrey Hepburn, e equivalentes masculinos como Tab Hunter, Elvis Presley popularizaram esses ícones de beleza e glamour que esbanjavam a sensualidade com delicadeza e um pouco de mistério, afinal, na época, posar nú era não era coisa que quem preza pela moral e os bons costumes. Logo, as imagens sexy/inocentes provocavam o expectador num jogo de “mostra e não mostra” levando-os a imaginar o que há no final daquela cinta liga.
Muitas pessoas resumem as pinups às imagens dos pôsteres antigos, porém achei este conceito na Wikipédia que faz muito sentido: ‘A imagem que causa atração dentro da cultura popular pode ser considerada uma pinup’, o que me leva a crer que cada época tem a sua versão delas. Hoje em dia temos a pinup contemporânea.

Pin up moderna: Feminina e cheia de atitude
Ela atravessou o tempo. Do calendário foi ao colégio, passando por editoriais de moda até chegar aos locais mais inusitados. As novas Lolitas nos surpreendem com seu charme e beleza com inspiração nas atrizes do teatro de revista, mas com um visual reformulado. Tudo esbanja feminilidade, às vezes de uma forma sutil, em outras ocasiões, nem tanto assim. A Pinup girl de hoje continua feminina e é cheia de atitude. Faz parte de seu guarda-roupa uma bela lingerie, vestidos vintage e outros itens cheios de graça.
Quando menos se espera você esbarra com uma garota meiga, linda e até mesmo tatuada!
Algumas lembram a personagem de Audrey Hepburn, verdadeiras bonequinhas de luxo versão repaginada.
Como estamos falando de figuras contemporâneas, não poderia faltar um confortável par de tênis, além de outros adereços que tenham a ver com o estilo pessoal, mesmo que seja em um pequeno detalhe.
A estudante de letras Larissa Moura, 19 anos, moradora de Planaltina no Distrito Federal, disse que a primeira impressão que teve ao olhar uma Pin up contemporânea foi boa: “Achei [o estilo] bonito. Elas são lindas, femininas e marcantes.” Ela que adota ao seu guarda-roupa elementos dos anos 70, não sabe se essa tendência vintage veio para ficar ou, se é apenas uma moda que tende a acabar como tantas outras, mas revela: “Não sei, mas acho que sempre haverá adeptas, mesmo que não seja a maioria população”.
Para outros, as moças de hoje nada tem a ver com as charmosas figuras que estampavam as portas dos armários dos soldados na segunda grande guerra, não passando de ‘pessoas querendo forçar a barra’.
O estilista amador Estevão Firmino, ou simplesmente, Stiff, de 18 anos, morador de Curitiba, soltou o verbo sobre essa tendência e, claro, sobre as Pinups atuais numa conversa que você, leitor, acompanha agora:

GAROTA PENDURADA! ENTREVISTA

Garota Pendurada!: Você conhece o estilo retrô? O que sabe sobre ele?
Stiff: “Acho que todo mundo conhece hoje em dia. Há uns dois/três anos atrás era algo 'novo' e diferente, mas hoje em dia (por ser uma coisa tão legal) acabou se infiltrando no dia-a-dia das pessoas, não só no meio alternativo como era antes, mas na vida de todos, principalmente na moda. Hoje em dia vemos lojas de roupas populares com peças de visível inspiração retrô. Acho super interessante essa volta de coisas que eram usadas há décadas atrás, porque isso mostra que, mesmo sem tecnologia, o bom gosto era algo presente na vida das pessoas. Eu curto o retrô de um modo geral, não só as roupas, ou a decoração, mas a cultura toda em si. Antigamente se usava mais educação, mais bons-modos, coisa que quase não existe nos dias de hoje. Era tudo muito mais fino e elegante.”

GP!: Para você, o que melhor define o estilo retrô? Usa algo que tenha a ver com essa tendência (desde roupas, acessórios, etc.)?
S.: “Acho que não tem uma coisa que defina mais o estilo. Mas com certeza, ao vermos qualquer coisa incluída nesse conceito, já reconhecemos de cara. E acho difícil alguém que trabalha com moda nos dias de hoje não usar nada de inspiração retrô. Isso já tomou conta mesmo. E vai continuar acontecendo, só vai atualizando a década em questão. Podemos ver pelas Fashion-weeks passadas, cada uma (vendo de um modo geral) tinha uma década de inspiração. Começou pelas de 50 e 60, aí pulou pra de 80, e nessas últimas podemos ver claramente a inspiração pela de 70, nas passarelas do mundo todo. Em decoração a mesma coisa.
Eu particularmente gosto muito também de música antiga. Sou louco por bandas da década de 80, alguns projetos da década de 70 que deram início à música eletrônica, mas principalmente músicas dos anos 40 e 50. Gosto bastante do primeiro álbum da Amy Winehouse, o Frank, no qual podemos ver claramente a inspiração retrô, está totalmente incluído nessa proposta.”

GP!: Qual a sua opinião sobre as Pinups?
S.:
“Acho elas incríveis, donas (mesmo que gordinhas) de uma sensualidade inexistente hoje em dia. Existem algumas do Gil Elvgren, que estão totalmente nuas, mas nem assim ficam vulgares. Hoje em dia a maioria confunde sensualidade com vulgaridade, beirando a pornografia. E é a sensualidade 'inocente' e bonita/artística que eu mais admiro nas Pinups.”

GP!: Vários artistas popularizaram as Pinups com seu trabalho. Na sua opinião, qual deles teve mais destaque?
S.:
“Meu predileto é o Gil Elvgren. Ele desenhou por várias décadas, sempre procurando melhorar seu trabalho. As minhas prediletas são as da década de 40, tanto que tatuei um de seus trabalhos dessa época. Meu tatuador também é louco pelo trabalho do Elvgren, na verdade foi ele quem me apresentou ao artista. Há outros muito bons também, mas acho que nenhum como esse.”

GP!: Você conhece ou já viu alguém que se vista como uma Pinup? Qual foi a sua primeira impressão ao olhar?

S.:“Eu já vi algumas aqui em Curitiba, mas não curti muito. Não sei se é porque tudo aqui é muito forçado, ou se foi por conhecer a fundo as Pinups, mas eu não gostei do resultado final de nenhuma que eu vi. Acredito que uma das únicas Pinups verdadeiras da atualidade é Dita Von Teese (foto ao lado). Gosto muito dela, e a vejo como uma das únicas.”



GP!: Você acha que Pinup é um estilo que veio para ficar ou apenas mais uma moda que tende a acabar logo como tantas outras?
S.:
“Eu acredito que vai ficar como já está. As pinups são coisa de muito tempo atrás, quem gosta mesmo já conhece. Acho difícil de popularizar por ser algo que não combina muito com nosso país. Elas já são algo conhecido por quem se interessa, mas eu acredito que vai parar por aí, até por ser algo quase impossível de se repetir nos dias de hoje, sem soar estranho ou até beirar o bizarro.”


GP!: Vemos as pinups contemporâneas, tanto nos desenhos com aerografia ou fotos, onde garotas, algumas delas tatuadas, misturam elementos retrô com toques atuais, incluindo a Body Art. O que pensa sobre isso?
S.:
“Já vi alguns trabalhos que ficaram bons, eu acho uma idéia legal, mas tem que ser muito bem feito. Eu particularmente sou BEM enjoado pra assuntos que dizem respeito a tradição, como as pinups que já vêm de uma cultura antiga. Se o trabalho não for bem estudado e elaborado, não tem como ficar legal. Eu sou fã de tatuagens, e adoro garotas tatuadas, mas acabei pegando uma marcação com pinups atuais tatuadas, pois todas as que eu vi eram de muito mau gosto, exageradas, forçadas, eu não gosto de nada que seja forçado, acho que tudo tem que ser o mais natural possível. Da maioria das garotas que tentam ser pinups hoje em dia, misturam o estilo com body modification, algumas acabam exagerando no visual.”

Acima, Stiff e sua tatuagem, a quem ele carinhosamente chama de Cyndi. “É uma
obra do Gil Elvgren chamada She's perfect, yes, but possibly she's too good to
be true
de 1947. Pretendo fazer mais duas Pinups no mesmo braço, uma ruiva e
outra loira. Também tenho outra tatuagem no ante-braço esquerdo (o contrário da pin up) que é uma lata de Campbell's Soup, um símbolo retrô da pop art, de Andy Warhol.”

Acredito que, quando assumimos um estilo, seja ele qual for, tem que estar de acordo com princípios básicos como conforto, beleza (que depende muito do ponto de vista), preço acessível e principalmente, se a roupa está de acordo com a personalidade de quem usa. O fato é que, as modinhas tendem a durar poucas estações. Acredito que as grifes com seus desfiles carregados de apelo antigo, trouxeram à tona o este universo, que estava esquecido (ou mesmo, desconhecido) pela maioria das pessoas e toda “novidade” atrai multidões. Além do quê, a moda é algo cíclico. Aquilo que foi um sucesso a uma década atrás está voltando com toda força, ao mesmo passo que o modelito da estação passada caiu em desuso e a decoração vem passando por uma transformação. Isso acontece com toda tendência, de uma forma geral, pois ela influência estilos. Logo, boa parte dos adeptos tendem a usar por um breve período de tempo.
Mudanças assim são totalmente compreensíveis, tendo em vista que o ser humano está em constante processo de evolução. Enquanto isso outras pessoas encarnam seus personagens “Rock a Billy” favoritos 24 horas por dia, 365 dias por ano.
Opiniões a parte, mesmo quem não é adepto, sabe ‘tirar o chapéu’ diante de uma bela pinup, seja ela retrô ou repaginada.

Agradecimentos:
Aos nossos entrevistados Larissa Moura e Stiff.
Wikipédia
e demais colaboradores.

Para saber mais:
Para quem quiser comprar livros de Elvgren e Vargas – Site Amazon.com:http://www.amazon.com/
Site oficial da musa burlesca Dita Von Teese: http://www.dita.net/
Na TokStok você encontra uma linda coleção de móveis e acessórios para decorar em estilo Vintage: http://www.tokstok.com.br/
Brastemp: http://www.brastemp.com.br/




Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Creative Commons License
Turnê ao passado by Nat Valarini is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at garotapendurada.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://garotapendurada.blogspot.com/.

7 comentários:

  1. Realmente, tudo que é antigo estaah voltando a ativa!

    Mundo P-O-P - O Seu Mundo da Música!

    _______________________
    http://mundop-o-p.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Essa coisa de recriar o antigo sempre dá certo e sempre fica interessante.

    http://www.ilude.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei do frigobar...
    quando puder..
    http://prolixolaconico.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. quero um frigobar desses p/ mim!
    encher ele de "QUILMES" hauhau

    ResponderExcluir
  5. NOSSA muito bo0m...
    Nada que um pouco de criatividade não faça né....

    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Nat, esse seu texto e a entrevista tem me ajudado bastante. Já li e reli umas 3 vezes, é uma belíssima fonte de informações!

    Ah...e parabéns, claro!

    Kiso!

    ResponderExcluir

EVITE ENTRAR PARA MINHA LISTA DE DESAFETOS:

Por favor, não gaste o meu tempo precioso, fazendo com que eu leia comentários do tipo "- Legal, passe lá no meu blog!", "Muito bom, adorei!", "Lindo seu blog, visita 'tá?'", "auhuhauhau" ou coisa parecida.

Não busco impressões de alguém que escreve como quem tem uma ejaculação precoce!

Kiso