terça-feira, 30 de setembro de 2008

Reforma ortográfica

Ontem, 29 de Setembro, centenário da morte de Machado de Assis, foi assinado pelo presidente Lula no prédio da Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio de Janeiro, o decreto de implantação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa que estabelece a reforma ortográfica.
O acordo (assinado em Lisboa em 1990), pretende uniformizar a grafia da língua portuguesa entre os países que integram a CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) dentre eles: Brasil, Portugal, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste. O Brasil será o primeiro a implementar as novas regras que entrarão em vigor oficialmente a partir de 1º de Janeiro de 2009.

Alterações na gramática brasileira:


  • As letras "k", do "w" e do "y" que antes eram tidas como estrangeiras foram acrescentadas ao nosso alfabeto que passa de 23 para 26 letras;
  • Adeus ao Trema (¨): qüinqüênio, lingüiça → quinquênio, linguiça;
  • São estinguidos os acentos diferenciais → "pára" (flexão do verbo parar) de "para" (preposição), "péla" (flexão do verbo pelar) de "pela" (combinação da preposição com o artigo), "pólo" (substantivo) de "polo" (combinação antiga e popular de "por" e "lo"), "pélo" (flexão do verbo pelar), "pêlo" (substantivo) e "pelo" (combinação da preposição com o artigo) entre outros;
  • Sem acento circunflexo na terceira pessoa do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos "crer", "dar", "ler", "ver" e seus derivados.(de creêm passa para "creem", e assim por diante);
  • Quando a palavra for iniciada por “r” ou “s” não usaremos o hífen, como em "anti-religioso", neste caso as consoantes são duplicadas: "antirreligioso";
  • Não se usará mais o acento agudo nos ditongos abertos "ei" e "oi" de palavras paroxítonas ("assembléia"→ "assembleia"), em palavras paroxítonas, com "i" e "u" tônicos, quando precedidos de ditongo ("feiúra" → feiura), nas formas verbais que têm o acento tônico na raiz, com "u" tônico precedido de "g" ou "q" e seguido de "e" ou "i" ( averigúe (averiguar) → averigue).
Enquanto isso em Portugal:
O acordo foi aprovado em maio e a nova ortografia deverá ser obrigatória dentro de seis anos.
Palavras em que C e P não são pronunciadas, como "acção", "óptimo" →"ação", "ótimo";
"Herva" e "Húmido" serão escritas como no Brasil → "erva" e "úmido".

E VOCÊ LEITOR, O QUE ACHOU DAS MUDANÇAS?

Agradecimentos:

Folha de São Paulo
G1

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Turnê ao passado

Contrariando as previsões dos pessimistas, o visual retrô veio para ficar tomando mais fôlego seja em roupas, música, nos móveis ou layout de sites, perpetuando ícones e enchendo a paisagem de charme e glamour é um verdadeiro brinde ao retrocesso!
Por Nat Valarini

Nem é preciso entrar num vórtice ou esperar pelo túnel do tempo, foi o passado quem veio até nós e não quer mais ir embora. Lembro-me que a algumas coleções de inverno atrás, o hit do momento era o visual realeza, com suas golas emolduradas em babados e casacos estilo cavalaria, mas essa moda nadou e, chegado o verão, morreu na praia.

Estilistas e designs continuam buscando inspiração para recriar em cima de ícones do passado uma perspectiva moderna e sem abrir mão de elementos do presente, pois a idéia não é parecer que estamos fazendo uma visita ao museu, mas sim pegar o melhor de cada época a fim de tornar roupas e objetos belos e funcionais para a população de hoje.

Mesmo que você, meu caro leitor, não dê a mínima importância para o que acontece
nas passarelas e que tenha a convicção de que seu pé não está no mundinho
fashion, não há como escapar: com certeza já consumiu algum artigo inspirado no passado.

Afirmo isso com total segurança, pois quem faz e/ou vende um produto (que
pode ser uma peça de vestuário, um carro ou mesmo a imagem pessoal) acompanha as
mudanças e exigências do mercado, que sempre atende a voz da maioria e é fato: o tempo de nossas avós ganhou destaque.Até a paixão nacional, o futebol, já aderiu. A primeira versão da camisa do seu time favorito pode ser encontrada com facilidade tanto as originais (vendidas a um preço salgado) ou mesmo réplicas dos uniformes antigos à venda em alguns sites. Visite www.cluberetro.com.br/ e deleite-se.

Algumas pessoas já me perguntaram por que o nome deste Blog é Garota Pendurada. Confesso que sou uma apaixonada pelo retrô e por um de seus símbolos mais charmosos: Pinup Girls. E é sobre elas que quero falar a partir de agora.

Cheesecakes & Beefcakes: como tudo começou.
OK! Pergunte-me: - Que raio de negócio é esse?
Calma compadre! Você sabe do que estou falando, só não ligou o nome à coisa.Vamos a uma breve ‘aula de história’?
Cheesecake é uma gíria popularmente usada nos Estados Unidos por volta de 1934 para elogiar uma bela mulher: “Better than cheesecake” (equivalente a: "Um verdadeiro pitéu"). E não pense que os rapazes ficavam de fora. Eles eram chamados de Beefcakes, puxando para o bom português, seria o nosso “Bofe”. Expressões precursoras usadas para designar o que conhecemos como Pin ups.
A febre que teve início nos desenhos enviados aos soldados no campo de batalha que suspiravam pela mulher de curvas idealizadas no papel seja pelas mãos de artitas como Pearl Frush, Alberto Vargas, Gil Elvgren, entre outros, ou mesmo com os sucessos no cinema de estrelas como Marilin Moonroe, Audrey Hepburn, e equivalentes masculinos como Tab Hunter, Elvis Presley popularizaram esses ícones de beleza e glamour que esbanjavam a sensualidade com delicadeza e um pouco de mistério, afinal, na época, posar nú era não era coisa que quem preza pela moral e os bons costumes. Logo, as imagens sexy/inocentes provocavam o expectador num jogo de “mostra e não mostra” levando-os a imaginar o que há no final daquela cinta liga.
Muitas pessoas resumem as pinups às imagens dos pôsteres antigos, porém achei este conceito na Wikipédia que faz muito sentido: ‘A imagem que causa atração dentro da cultura popular pode ser considerada uma pinup’, o que me leva a crer que cada época tem a sua versão delas. Hoje em dia temos a pinup contemporânea.

Pin up moderna: Feminina e cheia de atitude
Ela atravessou o tempo. Do calendário foi ao colégio, passando por editoriais de moda até chegar aos locais mais inusitados. As novas Lolitas nos surpreendem com seu charme e beleza com inspiração nas atrizes do teatro de revista, mas com um visual reformulado. Tudo esbanja feminilidade, às vezes de uma forma sutil, em outras ocasiões, nem tanto assim. A Pinup girl de hoje continua feminina e é cheia de atitude. Faz parte de seu guarda-roupa uma bela lingerie, vestidos vintage e outros itens cheios de graça.
Quando menos se espera você esbarra com uma garota meiga, linda e até mesmo tatuada!
Algumas lembram a personagem de Audrey Hepburn, verdadeiras bonequinhas de luxo versão repaginada.
Como estamos falando de figuras contemporâneas, não poderia faltar um confortável par de tênis, além de outros adereços que tenham a ver com o estilo pessoal, mesmo que seja em um pequeno detalhe.
A estudante de letras Larissa Moura, 19 anos, moradora de Planaltina no Distrito Federal, disse que a primeira impressão que teve ao olhar uma Pin up contemporânea foi boa: “Achei [o estilo] bonito. Elas são lindas, femininas e marcantes.” Ela que adota ao seu guarda-roupa elementos dos anos 70, não sabe se essa tendência vintage veio para ficar ou, se é apenas uma moda que tende a acabar como tantas outras, mas revela: “Não sei, mas acho que sempre haverá adeptas, mesmo que não seja a maioria população”.
Para outros, as moças de hoje nada tem a ver com as charmosas figuras que estampavam as portas dos armários dos soldados na segunda grande guerra, não passando de ‘pessoas querendo forçar a barra’.
O estilista amador Estevão Firmino, ou simplesmente, Stiff, de 18 anos, morador de Curitiba, soltou o verbo sobre essa tendência e, claro, sobre as Pinups atuais numa conversa que você, leitor, acompanha agora:

GAROTA PENDURADA! ENTREVISTA

Garota Pendurada!: Você conhece o estilo retrô? O que sabe sobre ele?
Stiff: “Acho que todo mundo conhece hoje em dia. Há uns dois/três anos atrás era algo 'novo' e diferente, mas hoje em dia (por ser uma coisa tão legal) acabou se infiltrando no dia-a-dia das pessoas, não só no meio alternativo como era antes, mas na vida de todos, principalmente na moda. Hoje em dia vemos lojas de roupas populares com peças de visível inspiração retrô. Acho super interessante essa volta de coisas que eram usadas há décadas atrás, porque isso mostra que, mesmo sem tecnologia, o bom gosto era algo presente na vida das pessoas. Eu curto o retrô de um modo geral, não só as roupas, ou a decoração, mas a cultura toda em si. Antigamente se usava mais educação, mais bons-modos, coisa que quase não existe nos dias de hoje. Era tudo muito mais fino e elegante.”

GP!: Para você, o que melhor define o estilo retrô? Usa algo que tenha a ver com essa tendência (desde roupas, acessórios, etc.)?
S.: “Acho que não tem uma coisa que defina mais o estilo. Mas com certeza, ao vermos qualquer coisa incluída nesse conceito, já reconhecemos de cara. E acho difícil alguém que trabalha com moda nos dias de hoje não usar nada de inspiração retrô. Isso já tomou conta mesmo. E vai continuar acontecendo, só vai atualizando a década em questão. Podemos ver pelas Fashion-weeks passadas, cada uma (vendo de um modo geral) tinha uma década de inspiração. Começou pelas de 50 e 60, aí pulou pra de 80, e nessas últimas podemos ver claramente a inspiração pela de 70, nas passarelas do mundo todo. Em decoração a mesma coisa.
Eu particularmente gosto muito também de música antiga. Sou louco por bandas da década de 80, alguns projetos da década de 70 que deram início à música eletrônica, mas principalmente músicas dos anos 40 e 50. Gosto bastante do primeiro álbum da Amy Winehouse, o Frank, no qual podemos ver claramente a inspiração retrô, está totalmente incluído nessa proposta.”

GP!: Qual a sua opinião sobre as Pinups?
S.:
“Acho elas incríveis, donas (mesmo que gordinhas) de uma sensualidade inexistente hoje em dia. Existem algumas do Gil Elvgren, que estão totalmente nuas, mas nem assim ficam vulgares. Hoje em dia a maioria confunde sensualidade com vulgaridade, beirando a pornografia. E é a sensualidade 'inocente' e bonita/artística que eu mais admiro nas Pinups.”

GP!: Vários artistas popularizaram as Pinups com seu trabalho. Na sua opinião, qual deles teve mais destaque?
S.:
“Meu predileto é o Gil Elvgren. Ele desenhou por várias décadas, sempre procurando melhorar seu trabalho. As minhas prediletas são as da década de 40, tanto que tatuei um de seus trabalhos dessa época. Meu tatuador também é louco pelo trabalho do Elvgren, na verdade foi ele quem me apresentou ao artista. Há outros muito bons também, mas acho que nenhum como esse.”

GP!: Você conhece ou já viu alguém que se vista como uma Pinup? Qual foi a sua primeira impressão ao olhar?

S.:“Eu já vi algumas aqui em Curitiba, mas não curti muito. Não sei se é porque tudo aqui é muito forçado, ou se foi por conhecer a fundo as Pinups, mas eu não gostei do resultado final de nenhuma que eu vi. Acredito que uma das únicas Pinups verdadeiras da atualidade é Dita Von Teese (foto ao lado). Gosto muito dela, e a vejo como uma das únicas.”



GP!: Você acha que Pinup é um estilo que veio para ficar ou apenas mais uma moda que tende a acabar logo como tantas outras?
S.:
“Eu acredito que vai ficar como já está. As pinups são coisa de muito tempo atrás, quem gosta mesmo já conhece. Acho difícil de popularizar por ser algo que não combina muito com nosso país. Elas já são algo conhecido por quem se interessa, mas eu acredito que vai parar por aí, até por ser algo quase impossível de se repetir nos dias de hoje, sem soar estranho ou até beirar o bizarro.”


GP!: Vemos as pinups contemporâneas, tanto nos desenhos com aerografia ou fotos, onde garotas, algumas delas tatuadas, misturam elementos retrô com toques atuais, incluindo a Body Art. O que pensa sobre isso?
S.:
“Já vi alguns trabalhos que ficaram bons, eu acho uma idéia legal, mas tem que ser muito bem feito. Eu particularmente sou BEM enjoado pra assuntos que dizem respeito a tradição, como as pinups que já vêm de uma cultura antiga. Se o trabalho não for bem estudado e elaborado, não tem como ficar legal. Eu sou fã de tatuagens, e adoro garotas tatuadas, mas acabei pegando uma marcação com pinups atuais tatuadas, pois todas as que eu vi eram de muito mau gosto, exageradas, forçadas, eu não gosto de nada que seja forçado, acho que tudo tem que ser o mais natural possível. Da maioria das garotas que tentam ser pinups hoje em dia, misturam o estilo com body modification, algumas acabam exagerando no visual.”

Acima, Stiff e sua tatuagem, a quem ele carinhosamente chama de Cyndi. “É uma
obra do Gil Elvgren chamada She's perfect, yes, but possibly she's too good to
be true
de 1947. Pretendo fazer mais duas Pinups no mesmo braço, uma ruiva e
outra loira. Também tenho outra tatuagem no ante-braço esquerdo (o contrário da pin up) que é uma lata de Campbell's Soup, um símbolo retrô da pop art, de Andy Warhol.”

Acredito que, quando assumimos um estilo, seja ele qual for, tem que estar de acordo com princípios básicos como conforto, beleza (que depende muito do ponto de vista), preço acessível e principalmente, se a roupa está de acordo com a personalidade de quem usa. O fato é que, as modinhas tendem a durar poucas estações. Acredito que as grifes com seus desfiles carregados de apelo antigo, trouxeram à tona o este universo, que estava esquecido (ou mesmo, desconhecido) pela maioria das pessoas e toda “novidade” atrai multidões. Além do quê, a moda é algo cíclico. Aquilo que foi um sucesso a uma década atrás está voltando com toda força, ao mesmo passo que o modelito da estação passada caiu em desuso e a decoração vem passando por uma transformação. Isso acontece com toda tendência, de uma forma geral, pois ela influência estilos. Logo, boa parte dos adeptos tendem a usar por um breve período de tempo.
Mudanças assim são totalmente compreensíveis, tendo em vista que o ser humano está em constante processo de evolução. Enquanto isso outras pessoas encarnam seus personagens “Rock a Billy” favoritos 24 horas por dia, 365 dias por ano.
Opiniões a parte, mesmo quem não é adepto, sabe ‘tirar o chapéu’ diante de uma bela pinup, seja ela retrô ou repaginada.

Agradecimentos:
Aos nossos entrevistados Larissa Moura e Stiff.
Wikipédia
e demais colaboradores.

Para saber mais:
Para quem quiser comprar livros de Elvgren e Vargas – Site Amazon.com:http://www.amazon.com/
Site oficial da musa burlesca Dita Von Teese: http://www.dita.net/
Na TokStok você encontra uma linda coleção de móveis e acessórios para decorar em estilo Vintage: http://www.tokstok.com.br/
Brastemp: http://www.brastemp.com.br/




Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Creative Commons License
Turnê ao passado by Nat Valarini is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at garotapendurada.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://garotapendurada.blogspot.com/.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Utilidade Pública: Hoje é o último dia para ser imunizado contra a rubéola.



Tomou a vacina?
- Ótimo!
Quem ainda não recebeu a dose tem até hoje, dia 19 de setembro, para ser imunizado!




A campanha que começou no dia 09 de Agosto e tinha data prevista para ser encerrada no dia 12 de Setembro foi prorrogada até esta sexta feira e, segundo o Ministério da Saúde, não será estendida novamente, porém a vacina ficará disponível nos postos.

Lendas Urbanas em torno da vacinação:

Algumas pessoas deixaram de participar por medo. Coisas como "causa impotência no homem", "não posso porque estou usando antibiótico", etc. são inverdades. Pessoas de ambos os sexos entre 12 e 39 anos devem ser imunizadas, afinal a intenção da campanha é erradicar esta doença do nosso país.

Vá até uma unidade de saúde e faça sua parte!

Para saber mais: http://www.brasillivredarubeola.com.br/

Agradecimentos:

Ministério da Saúde

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Já ouviu falar em BULLYING ?

Talvez para você, a expressão pode ser nova, porém essa prática é muito antiga. Talvez já tenha sofrido ou, até mesmo, praticado. Saiba como enfrentar este problema.
Por Nat Valarini

Nos cinemas essa desagradável situação já foi mostrada em filmes como o clássico “Three O'Clock High” ou, “Te pego lá fora” (imagem abaixo).

Quem não se lembra da comédia que conta a trajetória desesperada de Jerry Mitchell?
Vamos a um breve resumo: a história começa com Mitchell sendo encarregado de escrever uma matéria para o jornal da escola sobre o aluno novato, Buddy Revell. Porém, ele não gosta que saibam a seu respeito. O ponto definitivo para Revell datar a "sentença de morte" do protagonista da história foi porque durante a primeira conversa que tiveram o mesmo "tocou" em Buddy. Então, Jerry Mitchell recorre a todos os meios possíveis para não ter que brigar com o valentão da escola.
Se tratando deste problema a vida não imita a arte, a realidade não é nada engraçada. Os “motivos” podem ser os mais fúteis, como os retratados no filme.
Bullying é uma palavra de origem inglesa usada para designar as diversas formas de assédio repetitivos praticados por um indivíduo contra outro “mais fraco” seja física e/ou psicológicamente, podendo ser motivada também por desigualdades sociais, para ridicularizar e intimidar o outro. Quem o pratica é conhecido como Bully. Ele geralmente escolhe sua vítima em potencial perseguindo-a com insultos sobre sua aparência, comportamento, visual, local onde reside, time para o qual torce, gosto musical, etc.
Não é uma regra, mas nota-se que na maioria dos casos, o agressor provoca pessoas com menos desenvoltura que ele, em geral, tímidas, onde consegue sucesso ao humilhar publicamente o indivíduo aplicando práticas como:

  • Agressão verbal: por meio de apelidos, xingamentos, ameaças;
  • Agressão física: que começam com “brincadeiras” agressivas que envolvem tapas, chutes empurrões, passando para o espancamento;
  • Intimidação: através de postura, olhar, chantagem;
  • Isolamento: não se relaciona com a vítima e induzindo os outros indivíduos do grupo a se portarem da mesma forma através de influência ou intimidação;
  • Boatos: Disseminação de histórias falsas sobre o colega; Críticas negativas: onde tudo o que se refere a pessoa é tratado com comentários pejorativos .
Indivíduos chegam a mudar a rotina, os lugares que freqüentam, o colégio, e até de residência para fugir da perseguição, muitas vezes, sem sucesso, pois que garantia temos de que o problema não vá surgir em outro local?

O cenário perfeito

Como podemos ver, a pessoa que passa por essa experiência ruim é massacrada e porque não dizer, torturada, de forma cruel, muitas vezes, sem oportunidade de defesa e sem receber auxílio das demais pessoas envolvidas direta ou indiretamente.

O local onde mais freqüentemente podemos notar essa situação é o ambiente escolar. Muitos pais e responsáveis não percebem ou se notam algo estranho, poucos sabem como identificar se seus filhos estão passando por essa situação ou mesmo como ajudá-los. Acredito que a forma mais clara e eficiente é observar o desempenho do estudante. Notas baixas, falta de interesse na escola, faltas sem motivo aparente, mudanças repentinas de humor, denunciam que algo não vai bem, seja bullying ou outro motivo.
É muito importante que fiquemos atentos. Procure dar apoio, inscrever a criança em outras atividades fora do colégio para que ele tenha um outro círculo de convívio social, reconheça e elogie suas capacidades para estimular sua auto-estima. Se o seu caso é de filho agressor, procure conversar de forma firme, sem violência, explicando e fazendo-o entender que suas atitudes prejudicam outra pessoa, ensine-o sobre suas responsabilidades, valorizando as suas mudanças de comportamento positivas e sinais de arrependimento que ele possa demonstrar. Lembre-se não é de maneira agressiva que vai conseguir ensinar que ele está errado. Em vários países, a direção das escolas vem desestimulando as perseguições deste tipo.

Comportamento agressivo em adultos
Ao longo da vida, as pessoas podem crescer e persistir com este comportamento na adolescência e ainda na vida adulta praticando os mesmo gestos da infância no ambiente de trabalho, com seus vizinhos, no ônibus, na política, ou seja, onde quer que o ambiente e a vítima lhe pareçam propícios. Desde pequenas, as crianças assumem o papel de agressor ou vítima, podendo, por incrível que pareça, quem um dia foi agredido tornar-se o autor dos abusos. Essa lógica parece um pouco complicada, porém, alguns tornam-se agressivos e passam a atacar para se defender e, inconscientemente, agir assim para passar ao grupo uma imagem de intimidação e evitar que sejam molestados novamente. Já em outros casos, ainda mais graves, quem é atormentado sucessivas vezes, pode desenvolver problemas psicológicos graves, como por exemplo, a depressão. As vítimas podem chegar a cometer atitudes extremas como o suicídio ou mesmo assassinato daqueles que o atacam. Logicamente cada caso diferente, mas é verdade que essa prática traz danos para o resto da vida.

Internet, griefers e o cyber bullying: uma arma.
A rede mundial de computadores tem sido usada ativamente para espalhar de modo mais eficiente as perseguições. Donos de blogs e usuários de sites de relacionamentos vem sofrendo ataques semelhantes aos relatados acima, mas aqui os griefres (como são conhecidos na atmosfera virtual) ganham a vantagem de se esconder no anonimato ou por trás de outra identidade, além do que, as ofensas são divulgadas com uma velocidade impressionante além de serem perpetuadas. Um dos casos que mais me chamou atenção foi o da a adolescente americana Megan Meier, que após receber mensagens depreciativas de um personagem fictício criado por suas vizinhas no site de relacionamentos My space matou-se enforcada com um cinto aos de 13 anos de idade no ano passado.

Acima, foto de Tina Meier, mãe de Megan, segurando o retrato de sua filha que se matou ao ser vítima de griefers.
Abaixo, Lori Drew, uma das vizinhas de Megan Meier. Ela e sua filha foram responsáveis pelo cyber bullying. Foto: ABC News

Gregory Brown, especialista em suicídio na Universidade da Pensilvânia, afirmou que humilhação pública pode influenciar um suicídio porque "a desesperança é muitas vezes um sério fator de risco, e caso você tenha sido publicamente humilhado e sua reputação tenha ficado marcada, seria fácil chegar a um estado de desesperança". Situações como essa, ele afirma, contribuiriam para a sensação de que a vida é intolerável.

GAROTA PENDURADA! ENTREVISTA
Conversei com uma vítima de Bullying. Nossa entrevistada, que prefere se identificar apenas como “M.” relata sua experiência:

GAROTA PENDURADA!: Como tudo começou, em qual local?
M.: “Na escola. Acho que após ter perdido meu pai, fiquei melancólica por um tempo. Comecei a sentir dificuldade em me abrir, eu era tímida e não levava jeito para esportes. Acho que eu não era o padrão de pessoa que eles esperavam. Isso foi um prato cheio para as perseguições começarem. Eu estava na 6ª série”.

GP!: O que seus colegas faziam com você?
M.: “Me humilhavam de todas as formas, colocavam apelidos, falavam das minhas roupas, jogavam coisas em mim em plena aula.”

GP!: Durante a aula? O que os professores faziam?
M.: “Os professores não diziam nada. Pediam silêncio para prosseguir com a aula e só. Diariamente todo mundo via o que eu passava, eram omissos. Ninguém me ajudava, aquela humilhação era constante.”

GP!: Uma característica do Bullying é a propagação de boatos, isso ocorreu com você?
M.: “Sim. Uma garota chegou a inventar que eu gostava de um colega de sala, e ele ao ouvir isso, começou a me perseguir também. A única “amiga” que fiz na sala se afastou de mim devido aos comentários que faziam.”

GP!: Como você encarava aquela situação?
M.: “Minha vida se transformou num inferno. Eu chorava muito sozinha. Não conseguia me sentir bem, vivia triste, me tornei um pessoa deprimida. Sei que algumas pessoas vão ler isso e provavelmente dizer: ‘A culpa é sua, por que não reagiu, por que deixou?’ Mas a coisa toda não é tão simples assim, para quem está de fora é muito fácil falar. Eu estava passando por problemas familiares muito grandes e estava super fragilizada. De início sentia medo de revidar e acontecer algo. E na verdade aconteceu.”

GP!: O que aconteceu?
M.: “Estudava à tarde de segunda a sexta. As aulas de Educação física eram feitas duas vezes por semana no período inverso. Durante um jogo de vôlei pela manhã, uma das meninas começou a me chamar por apelidos. Estava farta de tudo aquilo e dessa vez eu não agüentei e respondi a ela, ao invés de ficar calada como sempre fazia. À tarde, antes da aula começar, ela chegou à minha mesa e me deu um soco. Fui à direção denunciar, pois não suportava mais aquilo, ela foi chamada para conversar com os coordenadores do colégio.”

GP!:E o que medidas o colégio tomou, surtiu algum efeito na forma como seus colegas a tratavam?
M.: “Deram uma advertência verbal. Conversaram com ela explicando que não poderia fazer aquilo. Ela disse que me bateu porque de manhã eu a xinguei. Falei para a coordenadora que desde o início do ano letivo ela e outros colegas me perseguiam, contei toda a história. Ela disse a garota que se aquilo se repetisse iam tomar medidas contra ela. Ao menos não fui mais agredida fisicamente, mas aquilo não parava. Acho que a ação do colégio não foi muito efetiva, pois tudo estava na cara deles o tempo todo e deixaram a coisa acontecer. Além do que acho que para parar essas ações de bullying não basta ameaçar o agressor com punições, o corpo docente tem que trabalhar em cima de educação e respeito ao próximo, princípios básicos de caráter, sabe? A escola não serve apenas para ensinar fórmulas e regras de português, ela deve atuar na formação do cidadão também. Todos os anos vejo novos casos parecidos ou até piores que o meu e não vejo um empenho de verdade do corpo docente, no caso das agressões praticadas nas escolas. Mas o que esperar de uma escola pública onde você mal consegue ver as matérias da grade curricular porque falta material, profissionais, onde todos os anos há greve de professores. Você acha que eles estão realmente preocupados com isso? São raras a exceções.”

GP!: De um modo geral, como isso afetou sua vida?
M.: Eu perdi o ânimo para comer e para ir a escola, não tinha alegria de viver. Comecei a faltar, em especial as de educação física, buscava fugir da situação da forma como podia. Minhas notas caíram sem parar, até que eu reprovei de série.”

GP!: E sua família sabia o que acontecia? Notaram algo de estranho, devido ao seu desempenho ter caído tanto a ponto de reprovar?
M.: “Não contei para ninguém. Eu tinha muito medo. Uma bobagem, ‘né’? Não sei se poderia ter sido diferente se contasse, já passou. Minha mãe ficou chateada por eu não ter sido aprovada na 6ª série, achou que foi falta de interesse nos estudos, ela não sabia. Mas para mim foi um alívio, pois este colégio público em que eu estudava as séries se alternavam de turno: pela manhã era a 7ª à tarde a 6ª série. Então apesar de saber que para mim repetir um ano era um longo tempo perdido, por outro lado eu me vi livre de conviver com aquelas pessoas que me maltrataram tanto, sem motivo algum.”

GP!: O que sente por aqueles que fizeram tudo aquilo contigo?
M.: Durante muito tempo senti muito ódio deles e ficava muito triste quando vinham os fleches de memória dos insultos. Jamais entendi sua motivação, porque fizeram aquilo logo comigo, entende? Nunca lhes fiz mal. Mas superei, recuperei minha auto-estima.”

GP!: E o que a ajudou a superar? Como está sua vida hoje?
M.: “Em primeiro lugar DEUS. Bom, eu acredito. Tenho fé. O tempo passou, as feridas cicatrizaram, vivendo adquiri maturidade. Vi que não sou nada daquilo que falavam a meu respeito. Acho que faziam aquilo porque eu era imatura. Porque queriam se mostrar fortes, mas na verdade alguns são tão fracos que precisam se sobressair em cima de alguém frágil para mostrar que são alguém eles buscam se auto-afirmar. Descobri que há em mim uma força para lutar pelos meus objetivos. Hoje em dia não deixo palavrinhas negativas me desanimarem. Sou realista e consigo separar a crítica construtiva (que pode me ajudar a crescer) de insultos e coisas do tipo."

GP!: Que mensagem gostaria de passar para quem pratica essas agressões e também para os que sofreram o mesmo que você ou passam por isso hoje?
M.: "Bom, não sei o motivo pelo qual o bully, griefer, etc. age assim, porém eu digo que a atitude é errada. Nada Justifica nada, pode explicar, mas não justifica. Quero dizer que, se a pessoa tem uma família desestruturada, um dia difícil, um problema, não é descontando isso em alguém que a situação será resolvida. Nós não sabemos como vamos estar amanhã. De repente o agressor de hoje pode vir a ser vítima. Eu espero, de coração que isso não aconteça, eu vivi isso e garanto que não é algo bom, tomara que eles aprendam isso de outra forma. E para quem está sendo perseguido, digo que não tenha medo ou vergonha de pedir ajuda. Não deixe que te massacrem. Você não é obrigado a aceitar essa situação, evite que isso evolua.”

Agradecimentos:
M.
Wikipédia
Observatório da infância e demais colaboradores.

Para saber mais:

O OBSERVATÓRIO DA INFÂNCIA traz textos interessantes sobre o assunto e disponibiliza uma atividade para testar o que você sabe sobre o assunto. Imprima, leia e complete: http://www.observatoriodainfancia.com.br/IMG/pdf/doc-214.pdf
Site SeguraNet traz dicas aos pais para ajudarem seus filhos a burlar o cyber bullying: http://www.seguranet.pt/index.php?section=39



Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Creative Commons License
Já ouviu falar em BULLYING ? by Nat Valarini is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at garotapendurada.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://garotapendurada.blogspot.com/.